quinta-feira, outubro 23, 2008


Um texto pra aniversário

1
Sento no escuro. Ouço...

Ouço os ruídos da respiração, se me concentrar bem ouço as batidas do coração..
Estico as pernas, os braços, movo os dedos tocando um teclado imaginário.
As pernas já alcançam a exata medida que me foi designada lá nos primórdios, quando era ainda apenas substância informe. Também assim são os braços, os dedos que ainda tocam o teclado imaginário de um piano imaginário, mas que de trilha tem apenas as batidas do coração. Os pés... os pés que já foram pés de molequinha levada, que gostava de correr na rua mesmo com os insistentes pedidos de sua mãe de que ficasse mais em casa, que deixasse de ser moleca, que já era uma moça...

Agora mãe, a menina moleca refugiou-se na memória e no coração (intocado é o coração de meninha moleca) dando espaço a pensamentos e sentimentos de mulher (que menina moleca não entenderia), mas, uma vez por ano, ela vem à tona e repara que tudo ainda pode ser, claro, certo e belo como ela imaginara ser. Ela chega pra dar esperanças de que um dia, as coisas de menina que ela sonhava quando ainda era menina, mesmo com tudo o que se passa, sendo coisas boas ou ruins, os sonhos, podem acontecer... porque há tempo e muito mais que tempo, há vontade!

Lágrimas escorrem, aquelas lágrimas que me lavam a alma. O cheiro suave da infância está de volta. É como se as mãos voltassem a ser pequeninas novamente, assim como as perninhas, pezinhos... a mãozinha pequena entre as mãos do pai e da mãe e todo aquele sentimento de proteção, cuidado, carinho, zêlo... que carrego pra sempre seja como for a vida. Amor, completamente incondicional e desinteressado que me faz e fez entender que família é isso. É bem maior, é necessário. Completamente!

E vamos lá, comprar bolo, ver os peixinhos, sentar naquele carrinho de mercadorias, ir no parque pra fazer amizades eternas de minutos... brilho colorido das luzinhas dos brinquedos, promessas de muitas brincadeiras para sempre... eternos três minutos, pra nunca mais se verem! Amizades de verdade, pessoas que são inteiramente indispensáveis para meus minutos sobre a terra. Sejam eternas de três minutos ou horas ou dias ou anos... Pessoas por quem eu não mato, porque não sou de matar (se necessário a gente briga um pouco, porque eu tenho educação, mas não sou idiota e nem sou amiga de idiotas), mas morro, se necessário!

Aqui, sentada no escuro, ouvindo o respirar, sentido o coração, balançando os dedos no ar é que eu quero pedir paz, felicidade, um pouco da sabedoria dos tempos, saúde para mim e para os que me são queridos, coragem e força para os desafios... pra essa incrível viagem que é crescer! Deus.. Esse que é soberano e a quem fui apresentada desde sempre e de quem sou... Companhia, que me ensinou como é bom ter a paz do céu dentro de si. O mesmo que me acompanha sempre e que me permite, sonhar todos os sonhos, que me diz que alguns serão apenas sonhos, mas que muitos deles ainda vão se realizar e que é só assim, com esse coração de menina, com brilho nos olhos que só quem tem uma criança arteira dentro de si possui, que eu posso ter forças e coragem para alçar vôo e alcançar o céu, o Ad Infinitum!

Respiro mais uma vez e sinto que tem muito mais coisas, mas essas não cabem em palavras!
É mais um ano e com um começo estupendo!
Brindo a vida!
Obrigada!

1 Comentando:

Clecia disse...

Parabéns atrasado! :) Bjos!

Postar um comentário